Apresentação em Braga da edição de “O Livro dos Espíritos”, traduzido para português de Portugal

.

.

.
.

.

Apresentação Nacional da tradução directa do francês para português de Portugal

Teatro do Liceu Sá de Miranda – BRAGA

Sábado, 22 de Abril de 2017 / Com a presença dos tradutores e sessão de autógrafos

.

“O Livro dos Espíritos” em tradução para português de Portugal / 22 de Abril de 2017

 

A nossa tradução de “O Livro dos Espíritos” foi feita inicialmente apenas para uso pessoal, visto que não nos agradavam completamente as versões que conhecíamos em língua portuguesa.
Para além da mensagem dos Espíritos que o Livro nos apresenta, a linguagem e a argumentação desenvolvidas por Allan Kardec, ao longo da obra, foram talhadas de acordo com a sua sensibilidade, face à complexidade da época em que viveu.
No tratamento dessas componentes essenciais, tivemos que seguir o seu exemplo, pensando numa nova geração de leitores, que alargue sensivelmente o número de interessados no esclarecimento da sua origem e do seu destino, em contexto de evolução espiritual.
Por isso se justificaram, não apenas a inclusão de um “Prefácio de tradutores”, com dados genéricos para as pessoas que nunca leram Kardec, como também um conjunto de notas finais de contextualização histórico-cultural, que achámos não só adequadas, mas imprescindíveis.
Não é possível manter intocada uma obra que ensina a viver e que tem de concorrer com as novas conceções da vida e do mundo, correndo com isso o risco imediato de não ser nem compreendida, nem aceite pelas gerações que já nasceram sob o signo de novas ideias.Estamos a pensar na nova geração de leitores que, habituados a linguagens muito mais atraentes e dinâmicas, só poderá aceitar um livro que lhes explique de forma clara, leve e transparente:

‒ O funcionamento do mundo;
‒ As regras e princípios que norteiam a vida;
‒ O que precisam de fazer para cumprir as suas missões de aperfeiçoamento moral e intelectual.

Acreditamos na universalidade e na perenidade da mensagem de “O Livro dos Espíritos”. Estamos seguros que tem argumentos e qualidades suficientes para levar às pessoas de todas as idades uma mensagem válida de edificação da vida.
Pertencendo ambos à geração de portugueses que tiveram o Francês como segunda língua e tendo tido uma experiência continuada, não só com o idioma mas também com a cultura da nação francesa, foi fácil começarmos de há muito a ler Allan Kardec nos originais, tendo assumido recentemente o projeto de traduzir para português o mais possível da sua importantíssima obra.
O trabalho que foi feito destina-se a cumprir um objetivo fundamental, que julgamos elementar.
A justificação para tomarmos tal iniciativa poderá talvez apoiar-se no teor da parábola dos “talentos”, contada por Jesus de Nazaré, pois compreendemos que era a altura propícia e que não devíamos esperar nem mais um dia para realizá-la.

Fizemos a nossa leitura/tradução com a máxima atenção e gosto.
Concluímos que a obra de Allan Kardec é demasiado preciosa para ficar prisioneira de uma errada consagração imobilizadora.
O trabalho feito proporcionou-nos um convívio precioso, a quase intimidade intelectual com a personalidade e a obra de Allan Kardec.

Queremos passar a palavra, dando de graça o que de graça recebemos, o que estamos a fazer agora. Para isso tivemos a generosa hospitalidade de alguns amigos, diligentes trabalhadores da causa espírita, que fomos encontrar na ASEB de Braga.
Agradecemos também à Editora “Luz da Razão”, pelo magnífico trabalho produzido.
A sua hospitalidade e o seu aberto acolhimento são a principal razão pela qual chegámos aqui.

O que fizemos da nossa parte, sabemo-lo bem, não estará isento de erros ou de falhas várias. Às pessoas que quiserem participar-nos as suas impressões de leitura, desde já agradecemos e prometemos a melhor atenção. Podem entrar em contacto por intermédio da Editora “Luz da Razão” ou pelo seguinte endereço: espiritismo.cultura@gmail.com

Queremos inserir uma nota final relativa ao generoso contributo do “Prefácio à tradução portuguesa” de João Xavier de Almeida, cujo perfil de estudioso e dirigente espírita português do mais alto prestígio veio ilustrar e enriquecer de forma especialíssima a Edição agora apresentada.

O seu Prefácio, mais do que um simples adorno cerimonial ou protocolar, é um testemunho personalizado e explícito de uma geração de ativistas enobrecidos pelo carácter, que nos antecederam e transmitiram uma mensagem da mais elevada importância, revelação magnífica que nos ensina a viver.
Em coerência com essa generosa mensagem, temos a esperança de vos trazer, no futuro mais próximo possível, outros resultados da atenção que vamos continuar a dedicar à valiosa obra de Allan Kardec.

Até lá, por favor, leiam com muita atenção a nossa tradução de “O Livro dos Espíritos”, o prefácio e as Notas finais.


Para finalizar esta justificação da nossa iniciativa, resta-nos inserir uma breve alusão à muito complexa série de pesquisas e apontamentos que temos reunido a respeito da tradução apresentada.
O texto que segue faz parte do Prefácio dos tradutores da edição em apreço.

 Notas breves sobre o método de tradução que seguimos

Sendo o francês e o português línguas da mesma família latina, tivemos a preocupação de fugir ao critério erróneo da “tradução à letra”, respeitando o fundo e não a forma das palavras do grande livro, tal como os ensinamentos nele contidos recomendam.
O autor teve o intuito de escrever um livro que fosse acessível a todos os leitores da sua época. Sabemos, contudo, as profundas modificações que registaram, entretanto, todas as técnicas de comunicação.
A frase mais curta, a economia de recursos de carácter retórico e enfático, a simplificação dos tempos verbais e muitos outros meios, foram usados por nós para facilitar a aproximação aos leitores, respeitando, entretanto, o carácter próprio que foi conferido à obra pelo seu autor.
Sabendo que as palavras têm alma, usámos uma estrutura lexical coerente com o carácter filosófico e moral da obra, no contexto da sua visão otimista da magnânima Obra da Criação e do glorioso destino da Humanidade.
Para além das versões em português, procurámos esclarecer muitos dos seus aspetos através de traduções noutras línguas e da pesquisa de outras obras do mesmo autor.
Consultámos, por exemplo, a tradução em castelhano de Alberto Giordano, publicada na Argentina em 1970 e influenciada pela que foi feita pelo professor brasileiro José Herculano Pires, que também analisámos com cuidado; e a excelente tradução em língua inglesa da autoria da jornalista Anna Blackwell, profunda conhecedora da cultura espírita, que foi contemporânea e amiga da família Rivail durante o tempo que viveu em Paris. A edição de que nos servimos tinha por intuito revelar a obra de Allan Kardec no universo cultural anglo-saxónico e foi publicada em Boston em 1893, mas o prefácio da autora está assinado de 1875, em Paris.
Também lemos, naturalmente, as conhecidíssimas traduções de Guillón Ribeiro, a seu tempo dirigente da Federação Espírita Brasileira.

José da Costa Brites e Maria da Conceição Brites

Abril de 2017

.

.

.

.

.

.

.

.

 

 

Advertisements

Sobre espiritismo cultura

A Realidade desta e de outras vidas
Galeria | Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s